BELEZA SEM CIGARRO

[Diário] Parando de fumar semana 1. Clique na imagem para ler os post do diário.

Store Cosméticos e Cia

Encontre produtos 100% naturais e orgânicos: Cosméticos, maquiagem.


Cupom válido durante todo ano de 2017 - clique e acesse!
Mostrando postagens com marcador Minimalismo. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Minimalismo. Mostrar todas as postagens

2 de outubro de 2015

Minimalismo | Apenas duas calças jeans!

Este ano praticamente não falei de minimalismo no blog, só da experiência com cipreste AQUI em janeiro, que me ajudou a desapegar das coisas com mais facilidade.
E como me programei pra atrair aquilo que preciso para curar minha vida (isso é uma afirmação do livro da L. Hay , falei AQUI)  atraí o livro da Marie Kondo que tem como premissa só manter o que você gosta.
Se eu fiz do jeito que ela ensinou, pegar por categoria e ir despachando?! Não... mas tive um olho afiadissimo e a cada manhã me perguntava o que posso despachar?!

Resultado: mais de (e não me orgulho!) 400 itens! Sim, eu anotei   um por um, e com isso, pude perceber que já tenho o que preciso para viver bem e que não me falta nada! E ainda agradeci a cada um deles por ter feito seu papel...
(bom, só me falta um somzinho porque descobri que os acordes  dos instrumentos musicais me empolgam e emocionam... e uma máquina de pão porque não levo jeito pra sovar massa e não quero mais pães cheios de químicas dispensáveis... mas só...)



Com o exercicio de agradecer, passear no shopping ficou mega monótono, não me atrai mais comprar roupa, me da angustia de pensar que posso estar motivando trabalho escravo, falta de condições decentes ou aumentar a montanha de lixo textil no mundo, que demora 400 anos pra decompor...

Álias , indico assistir o documentário no Netflix - The true cost, tem uma ótima resenha aqui. Só vou ao shopping agora pela livraria... pra me atualizar- mas muita coisa acabo comprando pelo Kindle porque livros ocupam espaço...

Chegando  finalmente ao título (perdoa a pessoa, são 9 meses de atualiazações rs...), engordei 10 kg nesses 1 ano e meio de mudança/adaptação - sim, o stress aumenta o cortisol que faz acumular gordura na barriga e também chutei o balde e descontei na comida pelo pior inverno da minha vida, aqui é mais frio, aumenta a dor que é crônica e só consegui um bom médico em julho... e também não foi fácil me adaptar numa cidade do interior, vindo da capital.

Ninguém acha que engordei de sair rolando, porque eu tinha 55kg e vestia 38 mas até o 40 estava dificil.
Eu já tinha uma calça 40 que foi laceando com o meu engordar e usei só ela por um bom tempo até que senti falta de um jeans azul , porque essa calça é um preto desbotado. Daí comprei...
E fiquei revezando só as duas...
... daí percebi que dá pra viver muito bem com duas calças jeans e uma tipo exército no inverno...

... e que não... antes não precisava de 15 calças e agora que trabalho em home-office e saio pra fazer compras, dentista ou médico... não tem mesmo necessidade. Daí despachei modelos mais escritório principalmente...

... e também despachei muita, mas muita roupa que acabei herdando de uma tia falecida, que eram super legais, bonitas... mas não tinham a ver com meu atual estilo.
Nisso também pude ver que o excesso de coisas não faz ter um bom guarda roupa, minha tia vivia reclamando de não ter o que vestir, porque muita coisa não era do estilo dela, e olha que foi 2 sacos de lixo grandes pra mim, uma mala pequena pra minha tia e outra pra prima e ainda sobrou...

E finalmente consegui tirar a comoda do meu quarto closet- trouxe para o escritório pra guardar material de aromaterapia (caixas pra correio, embalagens, os próprios óleos essenciais) , agora cabe tudo com folga, sem amontoar, depois mostro como ficou a arrumação, porque ainda quero despachar mais, quem sabe chegar num guarda roupa cápsula.

Engordar foi ruim pro corpo, a pele ficou horrível e até hoje está produzindo sebo no rosto em forma de bolotinhas,  só consegui perder 3kg por ter feito um detox de 5 dias, falei AQUI - mas foi ótimo pra me fazer enxergar que dá pra passar o inverno com 3 calças.

E não estou dizendo que é pra você ter só três calças, mesmo porque, eu trabalho em casa - suas necessidades  você quem define!

9 de março de 2015

Minimalismo | Escambo

Desde setembro entrei na vibe minimalista, mais no sentido de não comprar supérfluos e destralhar o excedente aqui em casa. Já foram uns 10  sacos de sessenta litros de coisas diversas, todos doados.

Agora, coisas com algum valor, como um grill redondo que ganhamos de casório, eu preferi partir para o escambo.

Já tinha entrado no contexto do escambo, alguns anos atrás, com o próprio layout do blog. Uma designer que precisava de um suporte em psicoaromaterapia, me ofereceu o layout deste blog e da lojinha dele também (já já quero ver  se consigo outro escambo para fazer as etiquetas das fórmulas e produtos desenvolvidos por mim...) .
Mais pra frente, quando precisei de um atendimento personalizado da minha coach no meu processo de autoconhecimento, ela aceitou escambar o atendimento em troca do que sei sobre blogs e redes sociais, fui a relações públicas dela por algum tempo.
Estes foram por questões orçamentarias, nessa época não tinha o dinheiro para pagar estes serviços e assim foi, o sentimento de gratidão é algo que não dá pra mensurar!

E o próprio blog tem um grande movimento de escambo - as marcas enviam produtos pra teste em troca de uma resenha com a minha opnião (e que fique bem claro, não tem publieditorial , foram todas resenhas porque gostei muito dos produtos e valiam a pena mostrar aqui).

Também passei a escambar corte de cabelo, minha cunhada é cabeleireira e não aceita que eu pague -não acho justo ela cortar minha juba que cresce que nem capim de graça... então dou coisas que tenho aqui parados que ela vai usar
.


Voltando as coisas com algum valor, algumas coloquei a venda - mas o que fazer com uma fonte de pedra sabão que dificilmente seria vendido pelo peso que tem?! Foi pra escambo.
Essa da fonte foi muito legal, quando conheci a pessoa ao entregar a fonte d'agua, percebi que é uma pessoa humilde, escambou porque a filha queria muito uma fonte. Fiquei feliz de trazer alegria pra uma criança com algo que ficaria parado aqui. É pura energia boa que recebemos ao fazer estas trocas.

E na verdade, acho que o maior valor do escambo no caso de trocar as coisas é este: dar um bom uso para coisas que só estavam ocupando espaço aqui em casa.

Graças aos céus eu não preciso de muitas coisas materiais agora, a casa já está equipada, faltam coisas como um microsystem por exemplo que não é uma necessidade básica. Então optei por escambrar por alimentos rs... pacotes de alimentos orgânicos ou não pereciveis, porque comida de qualidade e orgânica é um dos maiores investimentos que podemos fazer por nós.
Nem sempre consigo porque tem gente que prefere trocar só por coisas que elas tenham, pois de certa forma já fere o próprio conceito do escambo ter que fazer a pessoa comprar. Mas a ideia principal é não usar dinheiro como moeda de troca.

Também já troquei coisas por litros de óleo de cozinha usado pra fazer sabão,  por alguns motivos: na minha família não se faz muita fritura. Se eu compro base vegetal gasto dinheiro. Se troco pelo óleo de cozinha, já entro no contexto básico do escambo, além de ajudar o meio ambiente.

E assim tem sido meus dias de escambo, na grande SP  o movimento já é tão grande que seguranças do metrô já estão causando encrenca nas plataformas e catracas, local preferido para as trocas.
Se você tem coisas paradas e quer escambar, este grupo do facebook é ótimo - clica aqui.
Ali se escamba de tudo, desde eletrônicos, celulares, cameras, roupas, até tatuagem , serviços como corte de cabelo... é bem bacana!

E no contexto ambiental, trocar coisas paradas com outras pessoas é muito bom,uma porque essa coisa não vai para o lixo e outra porque não se compra um novo, onerando recursos naturais na fabricação de um novo produto.

Update: leitora disse que no Rio , lá no grajaú tem a maravilhosa feira desapegue-se, todo segundo domingo do mês, na praça Edmundo Rêgo.

6 de janeiro de 2015

Os desapegos de 2014


O ano de 2014 teve alguns marcos, como a mudança de casa e claro que toda mudança tem algum desconforto e um certo stress, tanto stress que fiquei doente entre nov /dez e  tive vontade de sumir com esse blog que escrevo... mas depois de uma reflexão, onde mais poderia mostrar para o mundo que é possivel fazer diferente?






Então aqui vão algumas coisas que boicotei ou consegui desapegar:

- Produtos Nestlé
É praticamente impossivel fugir do monopólio da Nestlé, domina o setor alimentício com suas fórmulas bombásticas. Claro que a resposta está em procurar marcas como Jasmine, Mãe Terra e  feiras orgânicas... mas quem não pode?! Pois sim ainda são mais caros produtos com fórmula mais natural, pois o sintético sai baratíssimo!

Foi dificil até matar a sede nas férias, no marco das Três Fonteiras em Foz do Iguaçu, o único comércio que tinha por lá era monopólio da marca, num calorão de rachar ficou impossivel... lição aprendida: levar sua própria água.

- Lojas Renner:
Admito que gosto muito das roupas de lá mas quando foi noticiado  que a rede usa trabalho escravo, com muito orgulho paguei a última prestação e não pretendo mais comprar lá, embora nesse dia tinha uma jaquetinha linda me olhando e pedindo pra levar; bom... nesse caso o minimalismo entrou em cena e visualizei as outras opções que já tinha, somado com essa noticia... ficou mais facil.


- Desvinculo total da Avon:
Desde que entrei para o lado verde da força, já vai pra 3 anos, deixei de revender a marca mas convenientemente a operadora do cartão de crédito me manteve no programa.
Em janeiro de 2014 resolvi me livrar dele... tentei  TRÊS VEZES pelo telefone mas as 'fias' do telemarketing desligavam na minha cara, foi para o Procon e assim consegui me livrar de vez de ter vinculo com uma marca que usa sintéticos nocivos e testa em animais... este ano pretendo me livrar de mais um ou dois cartões.

- Usar ZERO produtos de limpeza químicos e tóxicos

Com muito orgulho, digo que é possivel limpar a casa usando zero de quimica nociva. Bicarbonato, vinagre, limão e sabão feito em casa e detergente 100% natural Biowash, limpam e amaciam as roupas, desinfetam banheiro.
Alcool é industrializado mas natural, uso pra compor o limpa vidros.
Lustra móveis ou uso óleo vegetal ou uma emulsão feita por mim.
Se quiser saber algumas receitas tem aqui;

- Vontade quase zero de comprar vestuário

Digo quase zero pois tem algumas peças chave que gostaria de ter no guarda roupa como um vestido de malha liso, daqueles que só ele tá ok, veste e sai andando, uma sapatilha bicolor e um shorts jeans de altura decente, não aqueles micro escandalosos, esse ta muito dificil!
Mas constatei isso quando fui em Embu das Artes com o objetivo de comprar uma jabuticabeira, lá é o paraíso da roupa artesanal, não fez nem cócegas e confesso que fiquei com tédio, um dos meus passeios preferidos era sair pra garimpar algo novo...
Voltei só com plantas:  a jabuticabeira, um gerânio pendente, duas lavandas, um orégano, um alecrim e mudinhas de tagetes e crista de galo, isso por estar montando jardim e horta.

----------------------

Enfim, pra mim já são mudanças significativas, shopping agora é pra entrar na livraria ou ver fórmulas na Sephora pois sempre tem leitoras  perguntando de algum produto de lá. Perfumaria, nem algodão compro pois tônico vem em spray e quase não faço unhas, entro só pra comprar a máscara da Surya e saio.

Na verdade ter criado consciência de que cada compra emite carbono, gasta recursos naturais, energia elétrica, a embalagem mesmo sendo reciclada gasta mais energia eletrica e agua pra reciclar, quando não vai para aterros já sobrecarregados, torna mais fácil essa tarefa.
Claro que ainda não sou nenhuma santa no modelo de consumo, mas pretendo cada vez mais comprar só o necessário, de comércio justo, com ética.

E vocês, o que decidiram não comprar mais?

5 de janeiro de 2015

OE da semana | Cipreste X desapegos

Eu  queria postar mais em dezembro... não deu, o recesso desse ano não serviu pra descanso, serviu pra terminar de ajeitar o interno da casa nova e de apresentar a quem não conhecia, como a familia do marido... juntando as festa de fim de ano, no dia 1 só sobrou pó de Yumi rs...

Desde que me mudei, a montagem da casa foi ao longo do último semestre e com isso as coisas tinham que ser trazidas aos poucos, nessa hora eu vi o tanto de coisas que tinha e a grande maioria era inútil nesta casa ou no meu novo padrão de vida. O problema é que eu olhava para a bagunça e não consegui agir, ficava em pose de pensador de Rodin, olhando e tentando dar um jeito pra essas coisas, que já sabia que não nos serviam... mas nada!
E isso me irritava profundamente!

Até que trocando ideias com uma querida (gratidão sempre sua linda!) , disse que estava se trabalhando com oléo essencial de cipreste. Então veio a luz!


É um OE que trabalha a má circulação e edemas, o que faz dele ótimo  pra tratar celulite, que nada mais é que má circulação, retenção de liquidos e aspecto casca de laranja = edema.
Também atua na tensão nervosa, na ansiedade e trabalha questões emocionais, como a perda de um ente querido.
Existem outros usos além deles, é um OE seguro, só deve ser evitado por gestantes.

Fonte: Guia completo de Aromaterapia - Joana Hoare



Experiências da Yumi

Na psicossomática, retenção de líquidos significa que você está retendo algo, emoções que já deveria ter mandado embora, e na vida, o que está dentro, está fora, se você tem acumulado emoções negativas, pode ter certeza de que o acúmulo de coisas é a materialização disso.

Acontece que já me trabalhei muito, seja em terapia floral, na aromaterapia, nos quatro anos de curso de Constelação Familiar.
Antes eu precisava das coisas, um dos exemplos era não saber lidar com a morte do meu pai aos 9 anos de idade, então as coisas preenchiam o buraco  dessa perda.
Mas a medida que fui me trabalhando, a necessidade foi diminuindo e já conseguia enxergar que de fato, não precisava mais delas. Mas algo impedia o movimento, a ação ...

E claro que fiquei louca da vida pois sabia que precisava dar um jeito no excedente, então como que num recado do Universo passado pela amiga querida, o cipreste foi a salvação!

Na primeira semana baixou o espírito de maria amélia e lá se foi mais um saco de roupas e um saco de supermercado de tranqueirinhas.

Na terceira semana foram mais três sacos, entre desapegos e outras tranqueirinhas inúteis.
Então o cipreste é a alavanca, a mola propulsora que faltava, é um óleo que pode ser definido como deixar ir.
E lógico,  sensação de alívio e de ter a casa mais leve e destralhada é indescritível!

Como conheci o minimalismo e estou num processo de manter somente as coisas essenciais e prioritárias, será um OE muito usado também em 2015.

Se você também está nesse impasse, a dica que dou é de usar 3 gotas em 10ml de creme neutro ou óleo vegetal. Passe exatamente na celulite que representa o acúmulo. Também é bom inalar o OE, pode ser no colar aromáterapico ou cheirar a fórmula feita.


*Utilize o código PBS2016 e ganhe 5% de desconto na Aromalife - loja especializada em produtos para aromaterapia! Clica aqui.


29 de setembro de 2014

A primeira grande doação de roupas

Faz algum tempo que já vinha separando roupas pra doar, estavam em uma mala esperando um destino adequado.
Encheu um saco de lixo de 60 litros, com aproximadamente 100 peças e uma caixa de papelão pequena, entre elas seis peças do marido.
Muitas peças ou nunca usei ou somente uma ou duas vezes, não importa se compradas, herdadas de uma tia falecida ou ganhas...
Ao conseguir separar as peças pra levar na Igreja de S. Judas em SP, que sempre atendeu meus pedidos e sou devota desde os vinte anos (mesmo não sendo católica, na verdade sigo algo que nomeei de Yumicismo, rs...), então pra mim foi gratificante levar lá para doar aos que são atendidos pela igreja ou que possa ser revertido no bazar.


Então pensei que meus armários estariam livres de acúmulo...


Que nada! Fiquei impressionada com a quantidade de roupas que ainda tinha, mesmo já tendo feito umas vinte viagens entre as duas casa... encheu uma mala média...
Sapatos então... já tinha doado uns seis pares para as pessoas próximas, segunda foram mais quatro, e ainda tem sapato na outra casa, fora os que já trouxe...
Isso porque este ano não comprei  e roupas só duas peças, pensando muito bem e de fato foi uma compra boa, saiu andando...

Minha meta agora é me desfazer da comoda extra e ficar só com os armários planejados, mostrei aqui, e claro, me desfazer de mais sapatos, rasteirinhas aqui brotavam no guarda roupa, pois no verão é praticamente o unico modelo que uso...

Tirando o guarda roupa, também tem bastante coisa de escritório (trabalho em home office) e artesanato, que ainda não me decidi se recomeço ou não.
Ontem me deu uma sincope nervosa, estava irritadíssima com o monte de caixas e sacolas que tinha pra arrumar, claro que nessa arrumação, mais coisa está pra ir embora.
E estava irritada comigo mesma, como pude comprar tanta coisa que nem usei direito?! Ok que as coisas tinham um significado psicológico, não era importante fisicamente ou materialmente, como disse em outro post era o que me ancorava - então tem um misto  de auto perdão mas um pouco de culpa e muita irritação.

Então já foram duas malas médias de roupa, quatro sacos de supermercado dos desapegos de cosméticos ,maquiagens convencionais, acessórios de beleza... é dá desespero.
Mas no meio disso me veio bem forte o medo da falta e uma exigência bem alta... coisas a serem trabalhadas!

18 de setembro de 2014

O problema do lixo reciclável

E cá estamos morando além do horizonte, que tem um lugar, bonito e tranquilo pra gente se amar...

Não entendeu nada?



Tudo lindo e maravilhoso, mata virgem... aqui parece um lugar que os jesuítas escolheram pra formar um vilarejo, no alto do morro muito alto, kkkkkkkkkkkkkkk - daí chegam os colonos e fazem isso:





É claro que marido e eu ficamos chateados... ao postar a indignação soube que o depósito destinado a isso, está superlotado.

Mas mesmo antes de reclamar, ao vermos todo dia a lixeira abarrotada de coisa, inclusive o que pode ser reciclado, como essas caixas de papelão aí, nós resolvemos fazer o seguinte: quando fossemos pra SP, deixaríamos o lixo reciclável no posto de coleta do Pão de Açucar, que é no caminho pra casa, ou seja, não gastamos mais combustivel só pra fazer isso, o que implicaria aumento de poluição e etc...

E a situação do depósito de lixo, está assim por dois motivos:- que pelo menos consigo olhar, é nitido:
- Não cabe a produção de lixo de 100 casas, agora imagine quando todo o condominio estiver ocupado? Transformaremos a calçada em lixão?!
Não dá e nem pode, o sindico já viu que um segundo depósito é necessário.

- Não tem coleta seletiva na rua ainda

Então tá... eu podia culpar a prefeitura... mas e aí?! Sento e espero a solução cair do céu?!
Quanto a esse monte de caixa de papelão... mudança é isso, não tem muito jeito, se não é pra transportar o que você já tinha, chegarão novos equipamentos e mobiliário.


É necessário?! Sim... não tem como deixar de ter por exemplo uma mesa entre tantos itens que uma casa demanda.
Chegou em determinado momento, que marido e eu ficamos com remorso de tanta caixa que ia para o lixo...

Mas aí que chega o ponto, porque precisamos, vamos entregar , jogar a culpa na prefeitura e lavar as mãos?! Quem produziu o lixo?! Nós...

O planeta chegou num ponto que não comporta mais lixo, se não tem coleta seletiva na rua, o jeito é arrumar solução, pois não vai adiantar nada eu continuar reclamando da superlotaçãodo depósito sendo que eu posso arrumar soluções. E pode parar com a iluão de que se o caminhão de lixo levou, não é mais problema seu, não existe essa de jogar lixo fora, ele saiu da sua casa mas vai parar no aterro, que como bem sabem estão com superlotação.

Claro que não é sempre que vou pra SP e quando não dá, já descobrimos um ponto de coleta na cidade vizinha, que também não onera mais de levar até lá, já que o supermercado local não atende todos os nossos mantimentos, principalmente orgânicos.

Enfim, e o que você pode fazer em relação ao seu lixo? Reduzir é primordial mas e aquele que não tem jeito?!


7 de setembro de 2014

Minimalismo: Eu tenho muita coisa!

Desde a útima postagem aqui sobre minimalismo, já tem um mês, não larguei o projeto, mas tinha que viver também, até hoje não consegui ir na piscina do condominio, todo fim de semana é pra correr atrás das coisas pra casa, que desde abril estamos montando...

Enfim, faz dois meses que mudei não tinha como não vir, mesmo sem os planejados, já cheguei a dormir aqui  num colchão inflavel, só com chuveiro instalado e uma sanduicheira rs... acampamento total... todos os serviços dependiam de alguém pra acompanhar,  os planejados, granito... terminamos?! Não! Acabou a verba pra grandes projetos rs...

Até que minha mãe teve a ideia genial #sqn de chamar todo mundo no próximo domingo pra conhecer a casa. Quase surtei, mas acreditem, quando ela tem uma ideia ninguém a faz mudar ... essa é minha mãe...

Estava querendo xingar já - como vou inaugurar o que não tá pronto ainda?! Mas  no meu novo padrão de pensamento, agora tento ver algo de bom nas situações....
Então tá, esse é meu closet:



Começa na porta,ocupa três paredes e tem essa comoda que era do nosso quarto, mas como comprei uma penteadeira, veio pra cá... então é isso o que tenho pra guardar as roupas, pessoais, de cama e de banho, uma prateleira pra isso e tenho o báu do box também, que vão as cobertas, muitas porque sou friorenta.

E aos poucos tenho trazido as coisas da outra casa. O primeiro grande tabefe acerda das coisas foi:
Eu: - Você não vai pegar mais coisas suas pra levar?
Marido: Que coisas? Já acabou

Béeeeeeeeeee - ta bom né... marido tem a porta de espelhos,  cabideiro de camisas, em cima prateleira (que tá vazia por enquanto) e quatro gaveteiros aí dentro. As roupas do dia a dia dele estão aí e ainda sobrou 2 gavetas livres. no armario de canto tem um cabideiro curvo e o calceiro, que tem 2 ternos dele e as calças ocupám 1/3 - tipo: marido só precisa daquilo... #vergonha!

Tirando a prateleira das  roupas de cama, um gaveteiro com documentos e uma pasta de notas fiscais, o resto é tudo meu! Calma que não tá tudo ocupado - pausa pra gritar e cair de costas: AHHHHHHHHHHHHHHHHH!

Mas sim, eu tenho muita coisa, na outra casa tinha duas portas de ármario embutido no corredor, mais o armário em L e uma comoda parecida com essa, quer dizer, eu tenho muita roupa, fato!
Preciso de tudo isso?! Não!

Antes de me mudar já deixei uma mala média, mais duas sacolas com roupas pra doar ou vender, ainda não me desfiz porque não tive tempo mesmo e por também querer registrar pelo menos o destralhe do guarda roupa...
E não, não tem graça, tenho remorso de ter tanta roupa, ok que com as doações de uma tia falecida encheu mais 1/4 meus armários ...
 Fora que produtos de beleza estão ou nos armários do banheiro e make na penteadeira...

 Então em mais um dia que trouxe mais uma mala da outra casa, postei isso no grupo Vida minimalista (que sim, recomendo tanto o blog quanto o grupo tem me ajudado muito nessa saga):

pensamento enquanto estava colocando as coisas no lugar adequado:
"preciso de mais ganchos, mais caixas organizadoras, mais prateleiras"
pensamento num minuto de reflexão:
1 - ninguem precisa de tanta coisa
2- é meio burrice financeira gastar mais dinheiro pra comprar organizadores e organizar coisas que só estão causando bagunça
resultado: joguei mais um terço daquilo que achava que deveria manter ou deixar na sacola de doação que coloquei pendurada na maçaneta da porta do comodo 

Tá vendo a que ponto o acumulo de roupas chegou? É muito mesmo! Já tinha comprado um kit de caixas organizadoras e estava querendo mais... helloooooooooooooo!

Resolvi me entender com o que já tinha... não preciso dizer que meus armários na outra casa eram uma bagunça e que vivia reclamando não ter roupa (essa é pra rir eu deixo). E pra mim, isso não era um problema em si - tive que me mudar anuma casa com 1/3 do tamanho da anterior pra perceber que sim, era um problema e que sim, eu era consumista.

O pior é que eu vivia doando roupa, mas a medida que dava, eu comprava, então a única solução foi parar de comprar, desde que me propus, comprei um mocassim super macio , uma camisa jeans, uma florida e uma jaqueta, que sim pensei trocentas mil vezes antes, mas foi uma compra boa, pois todas já saem andando sozinhos de tanto que uso...

Então no fim, mesmo querendo xingar minha mãe, que quer inaugurar minha casa sem o rack da TV, sem o quintal estar sem cobertura e uma parte com piso, agora eu agradeço pois se não fosse a urgância em deixar apresentavel, não teria tido essa reflexão... tá vendo como é bom tentar extrair coisas boas de uma situação desagradável?!

7 de agosto de 2014

Da dor e do caos mental que o acumulo de coisas causam

Essa semana estava tensa e com o emocional abalado, não conseguia nem vir  aqui no blog pra escrever.
Minha casa ainda  estava parecendo um campo de batalha, coisas espalhadas por todos os lugares, onde deveria ser a mesa de jantar tem uma pia (isso mesmo, uma pia!) fazendo barreira e com a porta balcão aberta 24hrs  para as dogs não ficarem circulando dentro de casa sem  autorização e para não dormirem ao relento e frio enquanto as casinhas de cimento não estão prontas - o quintal não tem cobertura, os armários/balcão e a pia do banheiro a marmóraria está devendo há uma semana- e sem esses dois móveis, por exemplo, tem escova de dente na pia da cozinha (socorro!). Além disso tem uma comoda na sala servindo de apoio pra TV e o note pra ver séries pelo HDMI da TV.

Eu não consegui lidar com tanta coisa fora de ordem e surtei, dava vontade de sentar e chorar, não aguento mais esse status de acampamento que já passou de um mês.

Então, nessas situações dificeis, costumo meditar pra vir uma luz... a primeira delas é ligar  tecla f.. e guardar tudo que não tinha lugar definido nos armários do closet, no box do colchão... enfim, onde desse...

Por incrivel que pareça, só de ter tirado do meu campo visual toda a bagunça já ajudou, porque não conseguia nem pensar de tanta bagunça e tanto caos...
Depois disso, comecei a arrumar estrategias de organização, que mesmo tendo socado tudo dentro dos armários, não dava pra jogar aleatoriamente, então agrupei por tipos, como cosméticos.

Arrastei a comoda para o closet, onde ela deveria ficar e assim consegui organizar pelo menos as roupas de banho...
E cheirando óleo essencial de cedro e lavanda, me veio esse insight

meu Deus!
Como me incomoda, é desconfortavel de chegar a doer, ter que lidar com as trocentas coisas (objetos mesmo: roupas, sapatos, coisas de cozinha)
e mais ainda ter que olhar pra bagunça que a casa em formação ainda tem, pois ainda os móveis não estão todos terminados ou não estão em seus lugares

Não quis olhar pra isso antes, agora copm a mudança sou obrigada, na marra a ter que olhar e lidar com isso.
(afinal cada objeto tem nossa energia, cada uma daquelas inutilidades era um buraco emocional ou uma compensação...)

Ok, foi dolorido e tow mimizando aqui  - mas voltar pra casa antiga e indo pegar de pouco em pouco nossas coisas (porque não tem onde guardar tudo devidamente sem socar), dá um mal estar sim. O primeiro deles é o distanciamento, com olhar de observador - aquele monte de coisa não combina mais comigo ou com a casa, no entanto ainda dói mexer em alguns objetos, pois no meu caso - como disse para uma amiga, os objetos tinham uma função bem específica: marcar território na casa, me ancorar nessa vida, já que tive depressão e tive vontade de desistir, muitas vezes quando comprava naquele estado eu dizia para marido: 'compro pra me sentir viva' - e por fim certos looks como botas, casacos 7/8 óculos escuros tipo máscara, as vezes luvas, chapéu e cachecol quando estava muito frio, além de ter a função de me aquecer era pra me esconder... principalmente no curso de Constelação familiar e autoconhecimento.

Claro que continuo gostando de botas pois são de salto baixo e confortaveis, continuo gostando de casaco 7/8 , de óculos máscara, mas já não sinto mais a necessidade de me esconder, uso por gostar.

E claro que ainda tenho que destralhar muita coisa, pois não cabe ou não uso, então o que tem funcionado pra mim é trazer tudo na mala e verificar e deixei uma gaveta pra  agrupar essas coisas, tudo que não quero, pra não deixar espalhado pela casa, deixo lá.

Enfim, já são 3 meses que resolvi abraçar o minimalismo, mas ainda não sou... mas já estou feliz de andar pela Liberdade sem comprar algo só por ter achado bonitinho ou por estar barato...


31 de julho de 2014

Da montagem da casa em geral

Semana passada começaram a montar os móveis planejados. Estudamos a casa e concluimos que armários de boa qualidade,para roupas e para a cozinha, coisa que se abre todo dia e muitas vezes,precisavam ser de boa qualidade, e claro isso tem um preço, o projeto milimetricamente pensado, a madeira que não é daquelas que lascam numa batidinha boba, as dobradiças, os puxadores bem presos e de boa qualidade- são móveis para a vida toda: a ideia foi investir uma vez só sem precisar comprar por ter quebrado, mas no fim, concluimos que acabam somando no valor do imóvel.
Mostrei no Instagran uma parte dos armários.



Ninguém aqui aguentava mais gavetas que entortam, corrediças que estragam e que precisavam de gambiarras para funcionar... além disso, também gera uma energia negativa, segundo o Feng Shui - que sim, eu acredito.

Depois de ter morado numa casa com muito espaço, mudar para uma metragem de 'apertamento' de início foi motivo de pânico - 'onde colocaria tantas coisas?! Contei aqui quais seriam. Depois mais um xilique de ver a casa montada, pra ontem...
(atualmente estou sem a pia do banheiro pois colocaram o gabinete e o granito não chegou)

... claro, não foi nada confortável ficar três semanas num status de acampamento, só o escritório tinha os móveis, e antes de estar praticamente morando - mas não feito toda a mudança, houve dia que dormimos, tendo só uma sanduicheira, sem geladeira nem fogão, depois estes chegaram, daí não tinha armário, então os pratos e panelas ficavam nas caixas, ou no escorredor de pratos, alguns dentro da geladeira rs.. depois trouxe uma estante de plástico e ficamos duas semanas assim...

... as roupa ficavam na única comoda que já tinha vindo...
Mas ao mesmo tempo foi um aprendizado e tanto, e que o mínimo de uma infra estrutura é necessária, como um guarda roupa e um armário na cozinha pra guardar panelas, pratos  e utensílios. Ainda não terminou mas já tem os armários!Weeee!

No meio disso, eu que não era a pessoa mais organizada da família, me dei conta de que uma semana é o máximo que consigo lidar no meio do caos que uma obra pode trazer. Acreditem : houve momentos que não conseguia lidar com as roupas, a cozinha improvisada...

Como disse, tive um ataque de pânico, de pressa como boa ariana, de ver tudo montado, que no meu ideal eu não gostaria mesmo de estar acampada, aguentando barulho, sujeira e lidando com trocentos funcionários de várias empresas, já lidei com obra na casa da minha mãe, tomando a frente mesmo, enquanto ela trabalhava, e foi muito cansativo, como aqui,(mas lá  era diferente , estava criando um novo andar na casa e não começando do zero) - mas meio que como mágica, baixou um amadurecimento que não sabia que tinha, e de repente me dei conta de que esse ideal só se tivesse muita grana e entregasse na mão de um arquiteto.
E que o mais bacana de ter sua própria casa, é você ir ajeitando aos poucos, estudando, construindo cada cantinho, e se deliciar quando conseguisse ... e que eu perderia se entregasse na mão de um profissional.

Mais bacana ainda foi  ter baixado uma bigorna de uma tonelada, a medida que ia desmontando meu escritório na outra casa e trazendo: MEU DEUS! Não precisava de 80% do que tinha pra viver (depois conto mais sobre essa teoria), me fez refletir muito, sobre como não queria um ambiente lotado de Coisas, e assim fui escolhendo a dedo as aquisições e também me desfazendo de muita coisa inutil mesmo que quero mostrar mais tarde, pois ainda continua.

E agora com os armários de roupas, a tarefa de selecionar a dedo o que vale a pena ter o trabalho de colocar na mala vai começar, só trouxe o básico, necessário para esta fase, roupas de ficar em casa coordenando montagem e duas para sair, ver lojas... veremos o que vem comigo...

PS: acho melhor fazer mais posts, com um único assunto e menores daqui pra frente...

24 de julho de 2014

Minimalismo | Das roupas de fitness


Fazem duas semanas que estou no meu 'acampamento-próprio' - estou aqui na nova casa me virando nos 30 pra viver, por enquanto só o escritório já tem os móveis (e que se não fosse isso + ter encontrado uma boa internet, vocês não me veriam tão cedo rs...) e esse exato instante finalmente estão montando os móveis sob medida -YAY! não vejo a hora de mudar do status acampamento pra finalmente aqui virar um lar!




Voltando ao assunto do post, estando aqui na casa, já deu pra sentir minha real necessidade de roupas - e vou dizer que fiquei surpresa com a pouquissima quantidade que estou usando, basicamente passei duas semanas com: uma calça de malha, três blusas por estar frio, uma roupa de  ginástica (sim, conheci meu esporte oficial da nova etapa: andar de patins! Amo!) e um pijama.
Nos pés: uma pantufa pra andar dentro de casa, um chinelo para o quintal, tênis pra caminhada - ponto!

E na verdade, não deve ser muito mais que isso, pois trabalhando em home-office, basicamente é esta minha rotina, amei!
(agora que vamos ver o quanto de roupa sairá...)

Também tive um insight muito bom na casa antiga, olhando para o guarda roupa com pose de pensador de Rodin:
licença que meu pensador de Rodin é o Cebolinha, rs rs... povavelmente pensando num plano infalivel rs rs...

Não vou parar de fazer atividade física, fato - mas que finalmente consegui definir os tênis, mantive dois de quatro, -um em tom avermelhado/cinza e um outro branco com azul que ganhei de mommys.
Definido isto, fica mais fácil decidir quais roupas irão embora, quais manterei e também a paleta de cores fitness, pode parecer pouco mas já é um senhor adianto essa definição.

Além do exercício, é de tênis que levo minhas dogs pra passear.

6 de julho de 2014

A paleta de cores do guarda roupa

No processo de mudança de casa, já consegui tirar um saco de lixo de inutilidades - aêeeee!
O guarda roupa caminha a passos de lesma, mesmo porque ainda não ficou pronto nossos  armários - já tenho uma ideia do que não quero mas pra fazer a limpa geral, só com os armários, pois não tenho onde guardar.
Mesmo porque não sobra tempo ou energia mental pra olhar este setor, minhas ideias estão focadas na casa nova.



Pelo menos já rascunhei as cores das minhas roupas:
branco, preto, vermelho, verde, azul, marrom, roxo

Ainda tem bastante né?
Mas já ajuda a definir o que vai embora e o que fica, e ajuda mais na hora de comprar peças novas.

Falando em comprar, consegui cumprir minha meta de não comprar roupas, já tm dois meses. Pra não dizer que não comprei, comprei uma camisa jeans que já namoro faz tempo, já estava planejado e também faz parte do processo de aquisição de um guarda roupa que combine facilmente.

25 de junho de 2014

Minimalismo semana 8 - Casa vazia x casa cheia

Ao longo do tempo fomos comprando coisas para a casa nova, uma vez que a casa antiga tem é espaço de sobra... mas ao longo dos meses, caixas enormes e pesadas de moveis pra montar e grandes elétrodomesticos, junto com a já presente inutilidade presente na casa toda, deu um piripaque nos moradotes, estava dando desespero olhar pra tanta coisa amontoada -que sim, preciso me livrar disso pra me mudar de vez... mas tem uma coisa que eu noto muito e todas minhas terapeutas holisticas observaram: que a energia da casa antiga é tão complicada que interfere na vitalidade e apatia das pessoas...
tanto é que fiquei dando refresh na timeline do facebook, brinquei com a dog, fiz uma tapioca - mas estava enrolando pra fazer esse post... e tenho percebido muito bem isso na maioria dos outros.

Agora na casa nova, onde aos poucos móveis estão ocupando, onde deve, como deve e sem exageros, eu aqui que necessitava de cor nas paredes pra não morrer de tédio, ao me deparar com paredes branquinhas, sem coisas entulhadas, me promoveu duas coisas:
- espaços entulhados dão nó nas ideias, impedem de pensar
- espaços clean dão maior bem estar e as ideias fluem muito bem

quem consegue pensar em cima de uma pilha de coisas ?


Ah sim, também acatei a sugestão da coacher, quando me deu desespero do  tipo "o que vou fazer com esse monte de coisa que não uso/ não cabe na casa?"
Me disse para observar o que motivou a compra daquilo, agradecer por aquilo ter te apoiado em algum momento e se despedir, não simplesmente jogar fora/vender... e por incrivel que pareça com algumas coisas que consegui fazer o exercicio, descobri qual foi a necessidade que aquilo me atendeu... podem ter certeza que muita coisa foi comprado pra tentar tapar buracos emocionais. E por mais incrivel ainda que possa parecer: ficou muito mais fácil desapegar daquilo!

E por mais que se saiba não custa lembrar: comprar no meio de uma crise emocional é certeza de fazer compra por compulsão e sem necessidade.
Lição aprendida.

8 de junho de 2014

[Minimalismo] semana 6 - da compulsão

Como já sabem,  aconteceu a Bio Brazil Fair,  além da comida orgânica, tinha lá na ponta dos meus dedos a maioria dos cosméticos nacionais.
Para uma consumidora sem problemas emocionais que eram descontados na forma de compulsão, tudo normal - mas para uma ex-shopaholic que já chegou a gastar numa tarde no shopping 1/3 do ótimo salário fruto de um trabalho que detonou sua saúde, sim era um problema, para alguém que não pode sair comprando algo por ter achado o cheiro mais incrivel do mundo também é um problema (por mais que aquele cheiro vindo dos óleos essenciais traga efeitos no emocional).

Mas enfim, do planejado para gastar com cosméticos que eu precisava repor,me saí muito bem, comprei exatamente o tônico diurno e o noturno, deslize foi só no condicionador, pois o shampoo já estava no planejado - mas digo que foi uma tarefa herculea estar na 'disneylandia dos cosméticos orgânicos' e de TPM, esta vilã da grande maioria dos meus ataques shopaholic. Graças aos céus que meu respeito por cada planta que tem num frasco é maior que minha compulsão - sei que não posso acumular, pois se acumulo não dou conta de usar antes de vencer.
Sobrevivi sem fazer um rombo no orçamento.

Alimentos em geral que nesta feira tem preços muito melhores, também consegui me controlar e produtos de limpeza idem (mesmo porque jurei que na minha casa nunca entrariam produtos de limpeza químicos e tóxicos, do jeito que meu nariz e do marido anda sensivel a qualquer fragância sintética não acho que a proibição seja quebrada). Nesse sentido o smartphone é o maior aliado, numa lista simples, anoto preços de produtos que sei que vou usar, como o detergente da Biowash que não contém sulfato e por isso não detona a mão , nem  ajuda a formar a espuma pavorosa no rio Tietê. Nesse caso valeu a pena, pois comprar detergente pelos correios pesa... isso foi necessário
(e entenda que aqui é um blog sobre orgânicos e propostas bem naturais)

Então tá... fomos ao shopping para deixar a leitura em dia: pegar muitas revistas e ler somente o que interessa (essa foi uma das maneiras que adotei há muito tempo pra não sair comprando todas as revistas). Mas no caminho até a livraria, estava  a Forever 21 sem nenhuma fila... já faz praticamente dois meses que tinha combinado que não compraria roupa 'porque achei legal'- mas queria entender o que faz um bando de mulheres esperar numa fila de 3 horas pra entrar na loja.

Primeiros 10 minutos, nada de surpreendente, a não ser preços bem convidativos para itens básicos como tops e regatas... até que: meopai! que calça super linda, super diferente!
Então puxei da mémoria que tinha que dar jeito no meu excedente, que essa calça provavelmente me faria comprar um sapato pra combinar, pois sim, eu tentei imaginar qual sapato daria certo... e por fim, a lembrança mais pesada: minhas dogs não tem teto na casa nova!
(seria mais fácil me mudar e conviver com elas dentro de casa, mas como a beagle foi adotada com seis anos, ninguém conseguiu ensina-la de que marcar território com xixi na casa não pode...)
A vida inteira criei todas as dogs no quintal e apesar de ter conseguido minha graminha, tem um problema: não tem área coberta pra elas... e como faz com a chuva?! Preciso construir um canil de concreto...

Então desisti da ideia, mas a praga é que a mulherada fashionista circulava até na livraria com aquela bendita sacolinha amarela... e o mau humor da TPM, muito mal acostumado a tomar um comprimido de compra, começou a me irritar, daí tive a ideia de que ia comer um dos melhores hamburgueres de SP...

Tudo certo, pois precisava comer mesmo e na TPM me permito um deslize alimentar...
Aí que me veio um insight, que para aguentar a dor da massagem que atenuava minha dor crônica (sim, a massagem era punk, de querer socar a fisioterapeuta mas garantia uns dias sem dor), eu pensava em comida, sempre junk food e sempre calórica, como coxinha e quibe que dentro da minha rotina não entrava... e que se antes eu compensava o stress, ansiedade ou TPM em compra, me caiu a ficha que só troquei uma compulsão por outra: comida!
Faz  dois meses que como praticamente o dia todo, trabalhando em home-office é muito mais fácil.
Daí que me toquei que dobrar o corpo em obliquo já ficou dificil, e que uma das minhas calças não entra...
(e já vi isso em terapia - minha mãe me dava mamadeira pra eu ficar quieta em vez de dar atenção ou colo - só que, até os 7 anos?! E vive dizendo que comida acalma cachorro... então daí da pra ver de onde veio minha associação comida x calmante...)

Pois é, saber aromaterapia pra isso eu sei - o duro é que quando você é a sua aromaterapeuta, você tem que ter noção exata do que tratar e tratar só o sintoma é igual alopatia, que você precisa de um para o que leva a compulsão... bingo... achei!

Por fim, uma frase me marcou bastante hoje: "toda compensação traz uma certa deformação " 
 Adler - discipulo de de Freud

Aguardem cenas dos próximos capítulos...

3 de junho de 2014

[Minimalismo] semana 5 - Da digitalização das coisas

Esta semana apareceram do nada no meu email (?!?!?!) duas coisas interessantes: o Kindle do Amazon.BR  e scrapbook digital.

O Kindle é um reader do Amazon, que vende livros digitais e este leitor é sincronizado tanto no PC como no tablet. Achei muito bom, pois assim diminuo minha pegada ecologica com relação papel, e como sou uma leitora voraz, também não tenho tanto espaço pra guardar a montanha de livros que tenho. Além do que, os preços são bem melhores do que na versão em papel, por cerca de R$8 já dá pra comprar um livro digital.

Os livros tecnicos de aromaterapia, fitoterapia , ayurveda, não abro mão da versão em papel, mesmo porque eu coloco tags  e rabisco todos com notas pessoais. Mas livros que não preciso fazer tanta anotação, posso muito bem ler no tablet ou no PC.



Eu adoro scrapbook e estou fazendo projetos para as fotos que irão compor a decoração de casa, mas sempre me toquei que é um artesanato nada sustentavel, vai muito papel, além do que ao custro médio de R$4 por folha, $10 adesivos e etc x muitos deles, um projeto não sai mais por menos de $50.
Então do nada apareceu no meu email a versão digital (talvez por estar procurando material para scrapbook no google), onde o impacto ambiental fica só na moldura e em apenas uma folha impressa - sensacional!

Por fim, as centenas de anotações que preciso organizar para a casa nova e mudança, estou fazendo em quadro branco e no tablet, usei praticamente só 10% de papel se não tivesse essas duas ferramentas novas.

E você, que medidas digitais incorporou na sua vida para diminuit impactos ambientais, cortar custos e ganhar mais espaço fisico?

15 de maio de 2014

[Diário] O dia em que a mente travou

(Minimalismo - semana 4)
Que eu amo a idéia de morar numa shoebox, que para manutenção e limpeza é bem mais prático e com as proporções reduzidas, o risco de juntar tralha é bem menor...

Só que, eu vivi toda a vida numa casa sobrado, espaçosa pra caramba, e com 22 anos, o salão de festa que era sonho do meu falecido pai foi concluido (a obra ficou parada desde meus 9 anos por ele ter partido) - então além de ter uma área de serviço bem servida, o quartinho da empregada que virou o armario reserva, ainda tinha mais um salão que na minha época de artesã, virou meu home-office.

Conclui que quanto maior a casa mais tralha você pode ter, por ter espaço de sobra... também conclui que essa mania de guardar tralha que está no sangue da maioria dos descendentes de japoneses, é devido a fome, motivo principal da imigração - tem um medo da falta latente no sangue e aí acumula-se comida, roupa, utensilios de cozinha: 'vai que falta" ou "motainai jogar isso fora né'- são pensamentos recorrentes da minha avó por exemplo.
Motainai - é traduzido como desperdicio...

Então, tendo que comprar tudo projetando pra caber em 58m2, deu uma dor de cabeça tremenda... fiquei sonhando desde que casei que trocaria a mesa da sala de jantar, pois mesmo morando com minha mãe eu adorava cozinhar par os amigos, que teria essa mesa extensivel da Tok & Stok - uma ideia ótima para quando receber visitas,não aconteceu e ficou pra quando tivesse minha casa - daí ficamos monitorando via internet o preço dela que sempre baixa nas liquidações sazonais, calculamos a medida... tudo direitinho - teoricamente ela caberia...






Teoricamente, pois com o projeto da cozinha com um balcão americano (que vai virar armario de mantimento pois de espaço na cozinha só tem armario em cima e embaixo da pia - tá bom, eu pedi uma casa pequena - mas tão pequena assim foi demais rs..)... matou o espaço util para as cadeiras...

A unica solução foi dar a mesa pra minha mãe, a dela esta pavorosa, mas também foi um recorde de utilização: 40 anos!
Sempre foi o sonho dela trocar a mesa, mas nunca dava, tinha outras prioridades, então, ideia perfeita!

Tentei de um tudo pra ficar com a mesa: mandar para o marceneiro cortar 10 cm de cada ponta, não colocar o balcão na cozinha (agora que a parede veio abaixo? E onde colocaria a comida?), anunciar no Mercado Livre... a melhor solução foiu mesmo doar pra minha mãe, que merece.

Ah sim, fica aqui meu protesto: a metragem de casas e apartamentos tem diminuido cada vez mais e as lojas de móveis mostram ambientes lindamente decorados com mesas pra lá de 1,5m é bem dificil encontrar uma peça bonita nas metragens atuais que tenho...

A única loja que tem noção disso é a Etna, que nos seus projetos de decoração mostra uma planta, a metragem e o ambiente decorado...

O dia que a mente travou e o corpo também foi essa semana indo em lojas de móveis... sempre consigo ter ideias quando vou nessas mega stores de moveis - mas eu travei, no sofá e no rack... fiquei tanto tempo ruminando o que seria feito com a mesa, até surtar por ela tornar o local claustrofobico sem boa circulação eu sutei... provavelmente xingaria a pobre linda mesa, pois se com espaço já saio batendo nos móveis, imagina sem?!
Outro problema é que não quero comprar uma coisa provisória, quero comprar pra não ter que trocar depois e gerar mais impactos ambientais.

Tenho comprado muita coisa pela internet, que nessa grande SP, o fato de você não precisar se locomover já é uma baita vantagem- o rack seria outa compra mas olhei todos os bons sites de móveis que costumo comprar... lhufas!
Preciso de férias, nem resenha de cosmético que amo fazer não tenho conseguido, faz um mês que estamos nessa maratona...

6 de maio de 2014

[Diário] Minimalismo - semana 3

Falar do que ando fazendo pra minimizar o consumo e destralhar a casa fica contraproducente, mesmo porque estou na ponte entre duas casa e até me mudar não tenho como falar da nova rotina.
É bem melhor falar de um assunto que já tenho um certo conhecimento - o mercado de orgânicos, graças a ele, um mundo de novas informações se abriu e amém, que isso iluminou minhas ideais para chegar na filosofia minimalista, estou engatinhando no destralhamento mas o consumo caiu drasticamente.

O que falo hoje é sobre o risco de extinção das abelhas - sem abelhas não há frutas, verduras, legumes, não há insumos orgânicos, não há óleos essenciais, ou seja nosso mundo cruelty free e com o mínimo de impactos ambientais está ameaçado, assim como o mundo da maioria das pessoas - como assim?
Essa foto da fanpage Ocuppy Monsanto demontra bem isso:


E na Revista Galileu mostra bem o real significado da extinção das abelhas, clica aqui.

Ok, e o que eu tenho a ver com isso?
TUDO! Percebe o tamanho do problema?Não haverá alimentos se continuarmos permitindo que 4 MILHÔES DE ABELHAS sejam mortas pelo uso indiscriminado de pesticida!
Então, eu sossegadamente e egoístiucamente pensando primeiro na minha saúde e no meu bolso, não ligava muito se tal cosmético tinha só um ou dois ingredientes orgânicos e o restante é só natural
(álias não tão egoísta assim pois deixo de poluir solo, lençóis freáticos e mares, não contaminando ou matando peixes quando vou a praia por exemplo, com protetor solar bomba-atomica, causador de cancer e mata-recife de corais.)

Hoje me deu um clique da importância dos orgânicos, muito além de questões de saúde: se você não usa pesticidas na agricultura você poupa as abelhas, o que mantém o ecossistema sustentável e em perfeito equilibrio.
Eu consumo hortaliças e afins, orgânicos sempre que possível e o bolso permite, minha projeção e sonho é toda a alimentação ser orgânica.
Frescura? Não olha só o tamanho do estrago dos pesticidas utilizados em lavouras de feijão, café e soja, publicados no G1 da Globo:


Veja o video da reportagem aqui.

E independente se você é vegetariano ou vegan, não tem como não ser responsável por isso, uma vez que você vai na feira, está contribuindo com a morte das abelhas, pois está consumindo produtos de uma máfia da indústria de pesticicidas e menor preço dos alimentos.. e não a apicultura não leva a morte em massa das abelhas...

Sim, eu concordo que o acesso aos produtos orgânicos ainda é para poucos, pela dificuldade de encontrar e pelo alto preço - mas estou falando com você que importa MAC e faz a festa na Sephora - não tem dinheiro para isso?
Até concordo que verduras e afins sejam mais dificeis mas pela internet é possivel comprar mantimentos - mas no Pão de açucar e algunas grandes redes já é possível encontrar produtos orgânicos.
A demanda de produtos orgânicos, assim como todo mercado só aumenta com o interesse de consumo, assim como baixar os preços.

E ainda, por que não, ao invés de comprar o hidratante badalado, compre um orgânico?  Diferente dos shampoos que muita gente tem dificuldade, o hidratante, o sabonete, o óleo de banho respondem imediatamente no 1.uso - além de serem cruelty free.

Acho que é possível incorporar um ou outro produto orgânico na rotina - um produto que não prejudique o meio ambiente e não use pesticidas já é um alivio nesse mar de poluição que vivemos hoje, esse bombardeio de pesticidas que envenenam pessoas, meio ambiente e animais só vai diminuir no dia em que grande parte das pessoas falarem NÃO!

Já publiquei um post sobre a morte das abelhas aqui, o que você pode fazer é pressionar o governo, apoiar as Ongs que estão atuando no setor, além de introduzir orgânicos na rotina e ainda diminuir o consumo - nisso se encaixa na filosofia minimalista e até seu guarda roupa entupido é responsável pela morte das abelhas, uma vez que a agricultura do algodão demanda um alto teor de pesticidas, além de gastar muita água - 1 camiseta gasta 2700 litros pra ser produzida, saiba mais aqui.

E também da pra viver sem o pacote de algodão mensal - que este além de gastar muita água, gasta cloro, que é extremamente poluente. Desde que entrei para os cosméticos orgânicos, meu tônico com válvula spray, meu demaquilante com toalhinha de tecido fez com que um pacote de algodão fosse usado só uns 10 discos em 3 anos...

Não é todo mundo que consegue manter uma horta mas plantar flores é possível para muita gente.
Exemplo disso é a bomba de sementes - idéia do site - coletivo verde, clica aqui.

A sobrivivência das abelhas depende sim das ações individuais de cada um, das nossas, escolhas, consuma consciente! Disso depende o destino da humanidade, se não for assim, o preço da feira será muito caro de manter- provavelmente haverá escassez destes alimentos e consequentemente a alta de preços, pensem nisso!
Em resumo o uso indiscriminado de pesticidas está provocando isso, então o consumo de orgânicos é um dos caminhos para a manutenção da vida!
E você o que pode fazer?


26 de abril de 2014

[Diário] Minimalismo - semana 2

(ou: da escolha de uma lavadora de roupas)
Essa semana foi bem tranquila em relação a compras, mesmo porque nossos olhos e bolsos estão concentrados na mudança.
A opção de morar com minha mãe a convite dela após casar trouxe uma dificuldade: eletromésticos maiores e essenciais que normalmente se ganham de presente de casamento foi desnecessário na época. Então precisamos comprar.


Pra mim minimalismo tem tudo a ver com questões ambientais e na hora de escolher uma lavadora, acabamos optando por um modelo lava e seca, não tanto pela secadora, pois gosto de secar as roupas no sol e um dos muitos motivos é para que a roupa pegue energias positivas vindas dele.

Tirando as questões energéticas, optamos por um modelo assim, por diminuir quase até a metade o consumo de água, recurso cada vez mais escasso e super necessário à manutenção da vida. Estamos de olho neste modelo aqui.
Além de claro, não faz sentido ligar a secadora se o sol já faz este serviço, mesmo porque economia de energia é outro modo de poupar recursos naturais, só devo usar quando estiver aquele frio insuportavel e a roupa demora três dias para secar.

18 de abril de 2014

Minimalismo -semana 1

Hoje faz uma semana que decidi me tornar minimalista.

Surgiu uma viagem para Àguas de Lindóia, que fica a 10km de Monte Sião - MG considerada a capital nacional do tricô, coisa que tendo o dosha Vata, não tolero frio, então tricô é uma coisa obrigatória ter no armário e se juntar meu gosto por roupas, imagina a tortura de ter ido em um local assim?! Foco era a palavra-chave e eu finalmente consegui sair de MG trazendo uma única peça. Pra mim foi uma vitória inestimável conseguir isto.
Fui vencida pelo conforto de mocassins em tom verde, calçados na linha extremo conforto que são muito caros e por $50 valeram muito a pena, não precisava por já ter outros, mas pensei que mocassim com jeans é uma boa para saídas rápidas  (pois estou planejando meu guarda roupa nessa nova etapa), como consegui usar um até a sola se desgastar de forma irremediável, então deixei a culpa de lado... sou daquelas que comprava muito mas se algo me encanta, uso até a roupa ou sapato sairem andando sozinhos rs...

Também houve um desconto considerado na Feel Unique, comprei creme dental e sabonete líquido e hidratante sem fragância, ou seja sem óleos essenciais - coisa que necessito pois faz dois anos que uso produtos com OEs e sendo estudante de aromaterapia, sei que a pausa é necessário.

E claro, tem este blog, fiquei imaginando como seria se eu declarasse um não total as compras... o mercado de cosméticos orgânicos é pequeno, então sinto que de alguma forma ajudo as pessoas. Não posso simplesmente parar.
Então a principio foi decretado não comprar roupas, quanto a cosméticos, tenho mais que o suficiente, o que compro e o que recebo para teste e estão chegando produtos sem óleos essenciais, também posso dar um tempo, irei repor o que acabar.

14 de abril de 2014

Necessaire de viagem corpo e rosto

Fiquei muito feliz quando consegui reduzir minha necessaire de viagem, antes eram três, uma para o setor de banho, outra de rosto e outra para maquiagem. Finalmente consegui juntar a de banho com a de rosto em uma só, graças aos produtos naturais que são multifunção, só hidratante para rosto que não tem como, pois sinto a necessidade do filtro solar nos produtos diurnos.

Com certeza isso encrenca em viagens de avião mas como boa parte delas, acabamos indo de carro, tinha uma tendência ao exagero, admito... mas nessa minha nova fase minimalista e também preocupada com questões ambientais, sendo que quanto mais peso você leva no carro maior o consumo de combustível.


Hoje levo uma só e ainda sobrar espaço - coisa que nunca aconteceu com cosméticos convencionais, antes era os produtros especificos do marido mais os meus,  havia o sabonete do corpo, outro para o rosto e o intimo, o hidratante de corpo, outro para rosto e um terceiro de leave in. Fiquei especialmente feliz em saber que as miniaturas da Cativa funcionam nos meus cabelos, então segue minha lista atual:

- Sabonete Neem Sal da Terra:
Nós amamos esse sabonete, por ser um multifuncional incrivel, para nós que temos peles mistas e cabelos idem é um achado sensacional. Lavamos o cabelo, rosto, corpo e região intima.
Corto 1/3 do sabonete o que dá  cerca de 1 semana usando em tantas áreas e ainda para
 duas pessoas. Resenha aqui.

- Shampoo e condicionador miniatura do kit Cativa Buriti:
Como tenho cabelos mistos, lavo com o sabonete de neem, então sempre uso um shampoo com propriedades mais hidratantes nos fios, esse da linha de viagem da Cativa deu certo para meus fios pesados e grossos e não deixou resecar.

Já o condicionador dessa linha é bem ok para meus fios, e fiquei muito feliz de ter tamanho travel size.

- Condicionador Copaíba Cativa:
Esse é o queridinho do marido e como em time que está ganhando não se mexe,já que tivemos muito trabalho em encontrar produtos adequados. Tem fios mistos, com oleosidade na maioria do cabelo e tendência a caspa.

- Óleo corporal Pracaxi & Andiroba Cativa
Amo por hidratar bem as partes ressecadas como minha canela mas serve lindamente nos meus fios como leave in. Agora descobri um jeito de fazer o produto render até: passar nas áreas que necessitam de hidratação, em mim pescoço, braços e canelas. O que escorre com o enxague atinge as partes abaixo e tudo fica extra macio. Resenha aqui.

- Mix de óleos vegetais como demaquilante DIY:
Amo o conta gotas de 4,5ml é minusculo! Dentro tem óleo de sucupira que ajuda a retirar células mortas + arroz que é excelente para as áreas oleosas

- Hidrolato de lavanda Bioessência:
Amo hidrolatos mas quando penso em produttos multifunção, levo o de lavanda, pois age como tônico e também ajuda em picadas de mosquito e age como pós sol, além de ter efeito antiséptico em casos de machucado.

- Balsámo contorno dos olhos Sal da Terra
Multifuncional excelente, uso nos olhos, como bepantol vegetal nos lábio e, ajuda em queimaduras de sol. Resenha aqui.

- Tinted Moisturer 100% Pure
Hidrata, tem filtro solar e ainda oferece uma cor de base leve, amo! Reseha aqui

- Hyaluronic Acid Firming Serum Now Foods
Eu amo o serum de romã da Weleda mas mesmo lá fora é bem caro, tentei este como substitutro e quase chorei de emoção, faz o mesmo ou até melhor por U$12,73 na Iherb, clica aqui* - uso como hidratante da noite.

-Gel dental de chocolate e menta Natuflora
a embalagem pequena me fez ser o favorito para viagem, resenha aqui

Cada vez que venho falar da multifuncionalidade dos 100% naturais e orgânicos, fico impressionada com a versatilidade! Minha mala fica mais leve e ajudo a economizar combustível! Como não amar?

*contém link afiliado

10 de abril de 2014

Minimalismo - o começo

Meu ponto de partida se foca muito no impacto ambiental, não quero  mais ser aquela pessoa destruidora do planeta com meus hábitos consumistas. Primeiro foram cosméticos verdes e agora nos objetos da casa.


Tudo começou com o planejamento para a nova casa que irei morar e ao ver o espaço que tinha para a cozinha, confesso que entrei em pânico, já me via de mau humor rogando praga no arquiteto que projetou o espaço... com o passar do tempo fui vendo possibilidades - mas a real ficha caiu: eu simplesmente não preciso de algo maior, pois se planejar bem as compras e pensar dez vezes se aquilo que planejo comprar será útil, tem como viver bem.

A casa da minha mãe tem três andares, então eu tinha é espaço para as coisas, coisas estas digamos que no minimo 40% eram desnecessárias e que gerava muitas brigas com ela com TOC de arrumação e digamos minimalista por natureza, era uma relação muito dificil ,álias frisa-se bem o era, pois depois de 5 anos de terapia, entre elas aromaterapia em tempo integral e paralelamente três anos de constelação familiar sistêmica, que me mudou em vários aspectos eu  simplesmente perdi a vontade de impor minha presença através das coisas, chamar a atenção querendo amor, não que ela não amasse, mas tendo uma educação mais rígida e as vezes aos berros,pois foi isso que aprendeu com sua mãe e hoje eu entendo.

Hoje vejo que uma das formas de chamar a atenção era através das minhas coisas que eu impunha por toda a casa, muitas delas não sinto a mínima falta e estão espalhadas nos três andares... Isso aos poucos estou separando, o que levo comigo e o que é dispensável, mesmo porque, não cabe numa casa com 1/4 do tamanho da atual... são as coisas ou nós...

E hoje vejo que a compulsão por compras era uma forma de tapar buracos emocionais imensos, como por exemplo a morte de uma tia querida...  já houve a fase em que tentei tapar o buraco com tijolinhos de estojo de make e argamassas de cremes diversos... vindo para o lado verde da força, isso acabou, mas continuei nas roupas.

Não posso dizer que não vou comprar nada, mesmo porque montar uma casa requer equipá-la, e graças aos céus tenho a chance de ter uma tela em branco e pintar, desta vez da forma minimalista.
Vejamos como será essa empreitada.
Sei que esta é uma caminhada longa e que estou firme na intenção de seguir.